sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

o dia em que a terra parou

O trauma foi tamanho que só estou conseguindo escrever sobre o assunto muito tempo- e algumas sessões de terapia- depois.
Pensando bem, depois de certo tempo, o que aconteceu não foi com essa intensidade toda de thriller de suspense e horror americano, mas que apavorou, ahhh, isso apavorou. Não sei porque eu tenho a impressão de que já escreví sobre isso, mas não consigo localizar nem no blog nem nas gavetas da minha massa cinzenta. Será que imaginei? Bom , deixa para lá, vamos em frente:
Eu perdi Matraca-Trica.
Eu me perdi do moleque por mais de 45 minutos em um lugar público. Está certo que foi dentro do clube, um lugar em que existe alguma percentagem de segurança. Meu comportamento, agora refletindo sobre o assunto, foi de quem teve o filho arrancado do útero à força. Mas vamos combinar que não poderia ser de outra forma, poderia?
A quantidade de bobagens que cruzam a sua mente por segundo enquanto trota procurando em cada centímetro quadrado por algum sinal visualmente conhecido da cria é IMPRESSIONANTE. Não consigo me lembrar de 1/3 desses absurdos agora, mas na hora foram de uma possível realidade cruel. Imaginei o inimaginável, chorei pelo o que poderia ter sido, só não perdi os sentidos ou a sanidade que me restavam porque não podia me dar ao luxo.
Desconfio que todo mundo já perdeu a cria uma vez na vida: no supermercado, no shopping center, no parque de diversões. Todos sabem do que estou falando, por mais breve que o filho tenha saído da vista dos pais. A gente tira os olhos por um nanosegundo e ...cadê? Estava aqui agora mesmo!
Matraca-Trica foi achado pelos seguranças do outro lado do clube. Até hoje ele não entendeu o que aconteceu e porque mamãe estava daquele jeito. Ironicamente, essa é uma das coisas que ele só vai entender quando tiver filho.

Um comentário:

RENATA RZ - Dicas Green disse...

Confesso que perdi o meu filho uma vez na praia e o susto foi tão grande que eu não desejo isso nem pro meu maior inimigo.


nem gosto de lembrar...


bjs green (snif)